Regulamentação dos direitos das domésticas é publicada – Via G1

Em: 23 de outubro de 2015
Na Categoria: Notícias

Trabalhadoras terão adicional noturno, seguro-desemprego e mais 5 direitos.
Emenda constitucional foi promulgada pelo Congresso em abril de 2013.

O texto que regulamenta a emenda constitucional que amplia os direitos das empregadas domésticas, conhecida como “PEC das Domésticas”, foi publicado no “Diário Oficial da União” desta terça-feira (2). O texto foi sancionado pela presidente Dilma Rousseff na segunda-feira (1º) e entra em vigor mais de dois anos depois da promulgação da PEC.

Sete dos novos direitos (os mais polêmicos) foram regulamentados. São eles: adicional noturno; obrigatoriedade do recolhimento do FGTS por parte do empregador; seguro-desemprego; salário-família; auxílio-creche e pré-escola; seguro contra acidentes de trabalho; e indenização em caso de despedida sem justa causa.

Desde 2013, nove direitos já estavam valendo, como hora extra e jornada de trabalho de 8 horas diárias (veja mais detalhes abaixo).

A regulamentação publicada nesta terça teve dois vetos: um que nega aos vigilantes o sistema de contagem de horas dos domésticos e outro que proíbe a demissão por justa causa quando viola a intimidade do empregador doméstico ou de sua família.

O governo tem agora 120 dias para regulamentar o chamado Simples Doméstico – um sistema que vai unificar os pagamentos, pelos empregadores, dos novos benefícios devidos aos domésticos, incluindo FGTS, seguro contra acidentes de trabalho, INSS e fundo para demissão sem justa causa, além do recolhimento do Imposto de Renda devido pelo trabalhador. A exigência desses pagamentos, de acordo com a nova lei, entra em vigor após esses quatro meses.

Veja o que foi sancionado e publicado no “Diário Oficial da União”:

PEC das domésticas - todos os direitos em vigor (Foto: Arte/G1)

1) Adicional noturno
O projeto define trabalho noturno como o realizado entre as 22h e as 5h. A hora do trabalho noturno deve ser computada como de 52,5 minutos – ou seja, cada hora noturna sofre a redução de 7 minutos e 30 segundos ou ainda 12,5% sobre o valor da hora diurna. A remuneração do trabalho noturno deverá ter acréscimo de 20% sobre o valor da hora diurna.

2) FGTS
A inscrição do doméstico pelo empregador no FGTS ainda não é obrigatória, apesar de a lei prever o recolhimento de 8% do salário do empregado. Pelas regras publicadas no DOU, esse direito ainda depende da publicação de um regulamento sobre o assunto pelo Conselho Curador do FGTS e pela Caixa Econômica Federal, operadora do fundo.

3) Indenização em caso de despedida sem justa causa
O empregador deverá depositar, mensalmente, 3,2% do valor do salário será em uma espécie de poupança que deverá ser usada para o pagamento da multa dos 40% de FGTS que hoje o trabalhador tem direito quando é demitido sem justa causa. Se o trabalhador for demitido por justa causa, ele não tem direito a receber os recursos da multa e a poupança fica para o empregador.

4) Seguro-desemprego
O seguro-desemprego poderá ser pago durante no máximo três meses, no valor de um salário mínimo, para o doméstico dispensado sem justa causa.

5) Salário-família
O texto também dá direito a este benefício pago pela Previdência Social. O trabalhador avulso com renda de até R$ 725,02 ganha hoje R$ 37,18, por filho de até 14 anos incompletos ou inválido. Quem ganha acima de R$ 1.089,72, tem direito a R$ 26,20 por filho.

6) Auxílio-creche e pré-escola
O pagamento de auxílio-creche dependerá de convenção ou acordo coletivo entre sindicatos de patrões e empregadas. Atualmente, toda empresa que possua estabelecimentos com mais de 30 empregadas mulheres com idade superior a 16 anos deve pagar o auxílio. É um valor que a empresa repassa às funcionárias que são mães, de forma a não ser obrigada a manter uma creche.

7) Seguro contra acidentes de trabalho
As domésticas passarão a ser cobertas por seguro contra acidente de trabalho, conforme as regras da previdência. A contribuição é de 0,8%, paga pelo empregador.

Mudança no pagamento de INSS
Além desses sete novos benefícios, a alíquota de INSS a ser recolhida mensalmente será de 8% do salário do trabalhador, em vez de 12%, como é atualmente. Já no caso da contribuição feita pelo próprio trabalhador, o pagamento ao INSS continua igual ao modelo atual, que é de 8% a 11%, de acordo com a faixa salarial.

Confira a matéria completa sobre a regulamentação dos direitos das domésticas é publicada – Via G1


Suêd Haidar
Presidente Nacional do PMB

Fale Conosco

ST SDS, Bloco P, Sala 205
Edifício Venâncio III,
Asa Sul - Brasília/DF
CEP: 70393-902
TEL: (061) 3223-4027
Seg à Sex das 09h às 17h

Receba nossas novidades
[]
1 Step 1
Seu Nome
Previous
Next

PMB Nos Estados

TO BA SE PE AL RN CE PI MA AP PA RR AM AC RO MT MS GO PR SC RS SP MG RJ ES DF PB
Este Estado ainda não possui Comissão Provisória.
Presidente Acre:

Alexandre Damasceno

Clique e saiba mais

Presidente Alagoas:

André Monteiro

Clique e saiba mais

Presidente Amapá:

Luciana Gurgel

Clique e saiba mais

Presidente Amazonas:

Charles Sampaio

Clique e saiba mais

Presidente Bahia:

Amaury Nascimento

Clique e saiba mais

Presidente Brasília:

Léia Santos

Clique e saiba mais

Presidente Ceará:

Patrícia Aguiar

Clique e saiba mais

Presidente Espírito Santo:

Jacqueline Nonato

Clique e saiba mais

Presidente Goiás:

Rosilene Guimaraes

Clique e saiba mais

Presidente Maranhão:

Efigenia Tavares

Clique e saiba mais

Presidente Minas Gerais:

Gláucia Rodrigues

Clique e saiba mais

Presidente Mato Grosso:

Milton Simplício

Clique e saiba mais

Presidente Pernambuco:

Juliana Paranhos

Clique e saiba mais

Presidente Paraíba:

Evani Ramalho

Clique e saiba mais

Presidente Paraná:

Alisson Anthony

Clique e saiba mais

Presidente Roraima:

Sandra Gomez

Clique e saiba mais

Presidente Rio de Janeiro:

Sidclei Nogueira da Silva Bernardo

Clique e saiba mais

Presidente Rio Grande do Norte:

Raimundo Mendes

Clique e saiba mais

Presidente São Paulo:

Jaime Fusco

Clique e saiba mais

Presidente Sergipe:

Alice Moura

Clique e saiba mais

Presidente Tocantins:

Meire Carreira

Clique e saiba mais

Presidente Pará:

Henriette Barros

Clique e saiba mais

Presidente Piauí:

Graça Amorim

Clique e saiba mais

Presidente Mato Grosso do Sul:

Pedro Pedrossian

Clique e saiba mais

Rondônia:

Clique e saiba mais

Presidente Santa Catarina:

Clique e saiba mais

Presidente Rio Grande do Sul:

Thomaz Campos

Clique e saiba mais